Auditorias negam irregularidades nas eleições municipais, diz TSE

Tribunal informou que auditorias ocorreram nos TREs durante eleições municipais. TSE tem ressaltado que não há evidência ou indício de fraude no processo eletrônico de votação.

Foto: Divulgação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou nesta segunda-feira (11) que auditorias externas nas eleições municipais de 2020 mostram que não foram identificadas quaisquer situações que comprometessem "a transparência e a confiabilidade" da votação eletrônica.

Em nota, o TSE acrescentou que as auditorias externas ocorreram nos tribunais regionais eleitorais (TSE) e foram feitas por uma empresa especializada, contratada por meio de licitação.

O tribunal tem ressaltado que não há qualquer evidência ou indício de fraude no processo eletrônico de votação.

O tribunal também destacado que as urnas eletrônicas brasileiras são passíveis de auditoria e fiscalização por partidos políticos, Ministério Público, Ordem dos Advogados do Brasil e outras instituições antes, durante e após o processo eleitoral.

Presidente do TSE, o ministro Luís Roberto Barroso também tem reafirmado que as urnas são imunes a ataques cibernéticos.

As auditorias externas, explicou o TSE, são feitas com o objetivo de examinar e validar a organização, a condução e a conclusão dos trabalhos na chamada votação paralela.

A votação paralela é um procedimento da Justiça Eleitoral que verifica os sistemas da urna eletrônica. O objetivo é comprovar que o voto digitado pelo eleitor é o mesmo que será computado e fará parte do Boletim de Urna (BU), documento emitido após o fim da votação.

Conforme explicou o TSE, a Comissão de Votação Paralela é composta por servidores dos TREs e presidida por um juiz eleitoral, e o trabalho ocorre no mesmo dia e hora das votações dos eleitores e tem a participação de partidos políticos, OAB, Ministério Público e cidadãos.

A auditoria externa, então, atesta o trabalho dessas comissões. Analisam, por exemplo:

formação;
atuação dos servidores;
as conclusões às quais chegaram.

Nos relatórios, produzidos em cada estado, nos dois turnos, não foram encontradas irregularidades.


Informações G1

Compartilhe

Deixe seu comentário