Vereadores adiam por um ano reajuste do salário; medida atinge prefeito, vice e secretários

O anúncio foi feito nesta segunda (11) pelo presidente da Casa, Fernando Torres, com sua Mesa Diretiva, em coletiva de imprensa.

Foto: Ascom/Câmara Municipal

Embora não exista obrigatoriedade, por não serem atingidos pela lei federal que proíbe reajuste salarial para o funcionalismo público até 31 de dezembro deste ano, os 21 vereadores de Feira de Santana decidem não receber, em 2021, o novo subsídio, aprovado em 2019, para esta legislatura, somente em 1º de janeiro de 2022 será aplicado o reajuste. A última atualização do subsídio dos vereadores ocorreu em 2013.


O anúncio foi feito nesta segunda (11) pelo presidente da Casa, Fernando Torres, com sua Mesa Diretiva, em coletiva de imprensa. 

A medida também vai atingir os vencimentos do prefeito, vice-prefeito e secretários municipais. Todos  continuarão a receber valores que estão em vigor desde 1 de janeiro de 2013. 

Segundo o presidente, não seria 'justo, nem ético', que os agentes políticos tenham agora um aumento na remuneração, enquanto os demais servidores públicos vão precisar aguardar até 1 de janeiro de 2022. 'Que sejam contemplados todos em uma mesma data', afirma. 

Um vereador em Feira tem subsídio de R$ 15.030,00 (valor bruto), mesma quantia destinada ao vice-prefeito e secretários municipais. Com o reajuste, alcançaria agora em janeiro R$ 18.991,00. O prefeito municipal continuará recebendo este ano R$ 21 mil e não a quantia de R$ 26 mil aprovada pela legislatura anterior.

Com a decisão, a Câmara de Feira de Santana vai reduzir em praticamente  R$ 1 milhão (precisamente R$ 998 mil) a despesa que terá, em 2021, com o subsídio dos vereadores. 

Vencimentos dos superintendentes e presidentes de fundações e autarquias não estão na conta, mas serão igualmente congelados nos próximos 12 meses, o que aumenta o valor da redução. 

Compartilhe

Deixe seu comentário