Eleição em Macapá pode levar 292,7 mil às urnas neste domingo; pleito foi adiado após apagão

Votação acontece das 7h às 17h. Dez candidatos concorrem à prefeitura e 492 disputam 23 vagas na Câmara Municipal neste domingo (6). Se houver, 2º turno acontece em 20 de dezembro.

Foto: Rafaela Bittencourt

A última eleição de 2020 entre capitais acontece em Macapá neste domingo (6), para eleger o prefeito e os 23 vereadores da cidade pelos próximos 4 anos. O pleito foi adiado por falta de segurança em função de crise energética que atingiu o Amapá em novembro. São 292,7 mil eleitores aptos para votarem 703 seções eleitorais, das 7h às 17h.

Dez candidatos concorrem ao maior cargo do Executivo da capital do Amapá. Conheça-os. Outros 492 candidatos disputam neste domingo as 23 vagas disponíveis na Câmara Municipal de Macapá.

Se nenhum candidato à prefeitura obtiver maioria absoluta (50% mais um) dos votos válidos, os dois mais votados se enfrentam em novo pleito. Se houver 2º turno, ele acontece em 20 de dezembro.

O apagão que gerou o adiamento do pleito iniciou no dia 3 de novembro, após um incêndio na principal subestação do estado. O governo federal e a distribuidora de energia garantiram que foi restabelecido em 100% o fornecimento de eletricidade no dia 24 de novembro. O Ministério de Minas e Energia descreve que a situação deve se tornar segura até o Natal.

A medida afetou somente a capital porque o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) considerou que, nos outros 15 municípios, a segurança do eleitor poderia ser mantida sob controle, com o aparato de segurança disponível. No restante do estado, as eleições ocorreram no dia 15 de novembro.

Os eleitores podem votar das 7h às 17h, com horário preferencial para maiores de 60 anos entre 7h e 10h. A Justiça Eleitoral recomenda consultar o local de votação antes de sair de casa. Em Macapá, 54,3 mil eleitores foram remanejados (veja como realizar a consulta).

A apresentação do título de eleitor não é obrigatória, basta um documento oficial com foto, que pode ser o passaporte, RG, carteira de trabalho ou CNH. O aplicativo e-Título também é válido, e é uma ferramenta bem útil.

Este ano não há o procedimento de identificação por biometria. Além do documento, a identificação é visual, a princípio, com o eleitor de máscara. Apenas se o presidente da seção não reconhecer o eleitor, ele poderá pedir que este dê dois passos para trás e tire rapidamente a máscara, mantendo uma distância segura.

A Justiça Eleitoral recomenda que o eleitor leve sua própria caneta para assinar o caderno de presença, e de preferência que não leve crianças e acompanhantes.

O TRE-AP orienta que os eleitores que apresentem febre ou tenham sido diagnosticados com Covid-19 nos 14 dias anteriores à data da eleição não devem comparecer à votação. Até 60 dias após o turno de votação, é possível justificar o voto mediante comprovação do motivo da ausência. A justificativa também pode ser feita pelo aplicativo.

O governo do Estado já divulgou como pretende realizar o policiamento e garantir a segurança do pleito em Macapá no domingo.

Serão utilizados, ao todo, 1.467 agentes de agências federais, estaduais e municipais. O trabalho ocorrerá tanto nas ruas e avenidas da cidade, quanto no ambiente de redes sociais.

Com os trabalhos concentrados para Macapá, o TRE-AP planejou a distribuição de 860 urnas eletrônicas (incluindo as de contingência) nos 146 locais de votação a partir das 5h deste domingo, para que às 7h elas pudessem receber os votos de cada eleitor.

Na terça-feira (1º), aconteceu a audiência de carga e lacre dos equipamentos, com a inserção de arquivos com dados dos candidatos e dos eleitores de cada seção eleitoral nas urnas. No sábado (5), ocorreu outra etapa importante, a auditoria dos equipamentos, processo que reforça a confiabilidade da votação.

Na véspera, a capital do Amapá recebeu a visita e inspeção do presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso. Questionado se o resultado do 1º turno deve sair rápido, ele preferiu não delimitar um prazo: “No normal da vida, sim [é rápido], mas hoje em dia já não faço mais previsões”.


Informações G1

Compartilhe

Deixe seu comentário