'Não tem meio termo, é um lado ou o outro', afirma Colbert sobre disputa no segundo turno

Em entrevista ao Bom Dia Feira, na manhã desta quinta-feira (19), o candidato analisou período de campanha eleitoral, novas estratégias na disputa e plano de governo.

Foto: Bárbara Barreto/Bom Dia Feira

O atual prefeito de Feira de Santana, candidato à reeleição na Prefeitura Municipal Colbert Martins Filho (MDB) disputa o cargo com o deputado federal Zé Neto (PT) no segundo turno das eleições municipais após conquistar 39, 18% dos votos no primeiro turno do pleito.

Em entrevista ao Bom Dia Feira, na manhã desta quinta-feira (19), o candidato destacou os novos desafios do processo eleitoral e gestão municipal diante dos efeitos do novo coronavírus.

'Essa eleição é totalmente atípica, diferente de tudo. Esta é a primeira eleição em que não foi permitida a coligação e houve uma grande quantidade de pessoas de todos os partidos que antes eram cabos eleitorais e passaram a ser candidatos, então houve uma pulverização de votos muito grande e uma queda no número de votos. A nossa cidade vai decidir entre dois modelos, o do PT e o nosso, estamos prontos para disputar esse pleito que, no ponto de vista político e institucional, é absolutamente normal. Discutimos propostas, apresentamos projetos e no segundo turno, é um lado ou outro, as pessoas que querem o PT e as pessoas que não querem o PT e preferem uma proposta mais moderada, de centro, aberta e ampla, como apresentamos', disse.

Neste ano, foram eleitos 13 novos vereadores na cidade, o que representa cerca de 62% de renovação na Câmara Municipal, o maior percentual já registrado na história municipal.

''Todos os que estão lá e foram votados, merecem o nosso respeito e aplauso, assim como os que não se elegeram e concorreram nas eleições merecem aplausos. Todas as renovações aconteceram dentro de campos muito próximos ao que nós estamos, então não teremos dificuldade de ter essa convivência desde que seja dentro do campo de atuação que são os projetos de lei e fiscalização', destacou o candidato à reeleição.

Desde a definição dos nomes para o segundo turno, apoios vêm sendo firmados. No início da semana, Beto Tourinho (PSB) declarou apoio a Zé Neto e nesta quarta-feira (18), José Arimateia (Republicanos) afirmou estar ao lado de Colbert. Já Dayane Pimentel (PSL) e Carlos Medeiros (Novo) afirmaram neutralidade no processo eleitoral. Os demais candidatos que concorrem a prefeitura, Orlando Andrade (PCO), Marcela Prest (PSOL) e Carlos Geilson (Podemos), ainda não se manifestaram.

'Os apoios são extremamente importantes no segundo turno, mas agora é uma nova eleição e como nova eleição, nós apresentaremos novas ideias e propostas para ampliar o que já apresentamos', disse Colbert.

Confira principais pontos ressaltados pelo candidato do MDB na entrevista.

BRT

‘A politização do BRT em Feira foi algo totalmente negativo para o avanço do equipamento na cidade. O BRT é um dos sistemas de mobilidade urbana, o colocamos em funcionamento, inclusive com ônibus articulado. Nós estamos em período de teste e não dá pra restringir espaço na avenida, se nós estamos em período de teste. Em Salvador, por quase 7 meses o metrô funcionou de forma experimental. Após o teste será feita a instalação do sistema e ampliação necessária, outra questão é que teremos que botar o sistema bairro-bairro, com ampliação na zona norte e sul da cidade’.  

Centro da cidade

‘Estamos fazendo um grande centro com investimento de mais de R$ 30 mi. Peço desculpas porque as drenagens que estão sendo feitas, impactam negativamente no trânsito, mas são necessárias e não poderíamos deixar para fazer depois porque a eleição é um fato que acontece de dois em dois anos, mas o trabalho para as pessoas tem que ser feito todos os dias. Começamos na Sales com troca do piso, movimentação das pessoas que estavam no centro e agora estão muito melhor abrigadas com melhores condições. Vamos melhorar a iluminação no local, inserir bancos. O comércio, que é o maior gerador de emprego tem no centro uma nova possibilidade de crescimento’.

Zona industrial

‘O governo do Estado e atual candidato do PT foi um dos que votaram pela extinção do CIS, eu tive lá e é um abandono que o governo fez, eu pretendo propor que a gente faça um convênio e a prefeitura assuma aquele local porque é necessário que assim seja feito, o que não pode acontecer é o abandono. Não temos condição de captação e isso é preciso para o crescimento e desenvolvimento das indústrias. O segundo passo é o Cis Norte, projeto antigo que está há mais de 15 anos parado e vai acontecer na BR 116 Norte, trecho de Feira a Serrinha, para novas industrias que possamos atrair. A cidade tem que ter uma participação muito mais forte na área industrial’.

Centro de Abastecimento

‘Nós queremos que todas as pessoas que estão no Centro de Abastecimento, continuem lá, tem que requalificar o centro todo para ser moderno e transformarmos em um grande varejo como aquele mercado de São Paulo, limpo, de qualidade, com segurança. Estamos colocando uma companhia da PM, adequando para que ela possa trabalhar lá dentro. Pensamos sim na Ceasa, negociaremos com as pessoas que lá trabalham, que lá vivem, que conhecem a realidade, vamos conversar para que elas possam ir para um lugar próximo, mas sem o impacto dos caminhões que chegam, mas não há imposição, nem pressa, será conversado, e o município está atento para comprar novos espaços e possibilitar essa construção, com um detalhe, a proposta é que seja feito de forma privada, quem tem que tomar conta é iniciativa privada’.

Saúde

‘Termina amanhã a nossa terceira renovação de contrato do Hospital de Campanha, amanhã ele vence e vamos renovar por mais três meses, um grande e necessário investimento a saúde pública da nossa cidade. Vamos ter que ter uma nova relação muito direta com as pessoas após pandemia, principalmente pelas sequelas que a doença está deixando. Temos um ambulatório montado para o tratamento de doenças pós Covid, há pessoas com problemas neurológicos, complicações de audição, paladar, problemas hepáticos, renais e nós estamos prontos para buscar atendimento a essas pessoas. Estamos fazendo agora teste rápido PCR, a gente testa na hora e em 10 minutos já tem o resultado do teste. Temos que nos adaptar também, não terá sala de espera, vamos diminuir a quantidade de pessoas esperando, estamos incentivando a telemedicina. É preciso a ampliação de várias áreas de atuação, o foco nesse momento é manter o funcionamento da unidade. Nós esperamos poder ampliar a área de atenção a saúde, é uma proposta nossa, zerando todas as filas de cirurgia que temos aí. Manter o Hospital de Campanha funcionando com outra atividade é normal e pode ser feito, sendo necessário, será feito, mas o mais importante não é ter hospital, é ter resolutividade. Feira tem uma emergência, se abre enfermaria, abre centro cirúrgico, mas o que precisamos é de uma nova emergência.

Mobilidade urbana

‘Nós vamos duplicar a Artêmia, tem um trecho muito adequado para realizar essa duplicação e isso será feito, já temos um projeto pronto, vamos fazer uma proposta nova essa semana, em relação a um dos pontos de estrangulamento de trânsito em Feira, está sendo finalizada, é uma proposta muito forte. A sinalização será trocada, todas as sinalizações analógicas serão trocadas e monitoradas no centro de controle que estamos montando na avenida Rio de Janeiro, para que a gente tenha um sistema novo e pronto e adequado para todas as áreas da cidade que precisa de um novo plano de trafego’. 

Assista entrevista na íntegra: 

Compartilhe

Deixe seu comentário