Relator diz que Bolsonaro autorizou a inclusão de um novo programa social no Orçamento

Nesta terça (15), presidente havia dito que não se falava mais em Renda Brasil até o fim do mandato dele. Agora, relator levanta outra vez a criação de um programa de transferência de renda.

Foto: Divulgação

O senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator do Orçamento da União para 2021, disse nesta quarta-feira (16) que foi autorizado pelo presidente Jair Bolsonaro a incluir despesas com um novo programa social em seu relatório.

Bittar teve uma reunião com o presidente no Palácio do Planalto e falou com a imprensa após o encontro.

Na terça-feira (15), Bolsonaro disse que estava proibido de se falar de Renda Brasil dentro do governo até o fim do mandato dele, em 2022. O Renda Brasil era o programa que o governo pretendia criar para substituir o Bolsa Família.

O presidente disse que estava desistindo do programa depois que a equipe econômica começou a defender cortes de outros benefícios para financiar o Renda Brasil.

No domingo (13), o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse que estavam sendo estudadas alternativas como o congelamento de aposentadorias e pensões e a redução do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Bolsonaro afirmou que as medidas eram "devaneios" e que ele não permitiria retirar dos "pobres para dar aos paupérrimos". Disse ainda que mostraria um "cartão vermelho" a quem lhe apresentasse essa proposta.

Agora, o relator do Orçamento levanta novamente a criação de um novo programa social, para auxiliar trabalhadores após o fim do pagamento do auxílio emergencial, em dezembro, como era a ideia do Renda Brasil.

"Tomei café da manhã com o presidente da República. Antes do almoço conversamos mais um pouco, e eu fui solicitar ao presidente, se ele me autorizava a colocar dentro do Orçamento a criação de um programa social que possa atender milhões de brasileiros que foram identificados ao longo da pandemia e que estavam fora de qualquer programa social. O presidente me autorizou", disse Bittar.

O projeto do Orçamento prevê todas as receitas e despesas do governo federal para o ano e precisa ser aprovado pelo Congresso.

De acordo com Bittar, o momento não é de "especular" sobre onde serão feitos os cortes de gastos para viabilizar o novo programa. Ele disse que apresentará o relatório na semana que vem, já com as despesas previstas para a transferência de renda.

"Não adianta agora a gente especular do que vai tirar, onde que vai cortar, mas estou autorizado pelo presidente, ele me deu sinal verde. E, a partir de agora, vou conversar com os líderes do governo no Senado e na Câmara, conversar com a equipe econômica. Mas, a semana que vem, a ideia é apresentar um relatório que tenha as PECs e a criação desse programa", afirmou o senador.


Informações G1

Compartilhe

Deixe seu comentário