Cheia de riscos

Foto: Divulgação

Com as chuvas recentes em Feira de Santana, e o tráfego de veículos pesados sempre frequente, a Avenida de Contorno tem acumulado muitos e grandes buracos. No trecho que fica entre o viaduto 'Portal do Sertão', na entrada da cidade, para quem chega pela BR-324, até o complexo viário do bairro Cidade Nova, em vários pontos, é possível notar os buracos. No semáforo que dá acesso à avenida Artêmia Pires, onde o trânsito já é confuso, os buracos dificultam ainda mais o tráfego, já que é necessário desviar deles, bem no trecho em que as avenidas se cruzam. Mais à frente, no acesso ao bairro Santo Antônio dos Prazeres, a situação se repete. Perto do viaduto da João Durval, idem, e assim, no acesso ao conjunto Feira V, e adiante, já chegando no complexo viário.

Com quase 25km de extensão, a Avenida de Contorno é a principal via de acesso a vários bairros da cidade, e quem mora em Feira de Santana, sempre precisa passar por ela. Por outro lado, trata-se de um trecho de rodovias. Para um lado, BR- 324, e para o outro, BR- 116. Por isso, inevitavelmente, o fluxo de veículos é intenso, além de ter uma grande quantidade de caminhões trafegando diariamente pela Contorno.

Com a grande quantidade de buracos, atualmente, no local, o risco de acidentes aumenta bastante. Em vários trechos, tem sido necessário desviar deles, quase invadindo a contramão, para evitar danos ao veículo. Em vários outros momentos, o jeito é ter esses danos mesmo, quando um outro veículo vem no sentido oposto, para evitar acidentes. De um jeito ou de outro, a periculosidade da Avenida de Contorno fica ainda maior por conta desses buracos. Vale lembrar que ela á administrada por uma empresa terceirizada (Via Bahia), a quem cabe a manutenção dela, e que esse serviço é pago, já que é financiado pelo pedágio pago pelos usuários nos postos de pedágio na 324 e na 116. Esperamos, que tão logo seja possível (devido às condições climáticas, que sabemos, atrapalha as operações de ‘tapa buracos‘), o serviço de reparo seja realizado.

Compartilhe

Deixe seu comentário