Diretor do Conjunto Penal de Feira não descarta testagem em massa entre detentos

A unidade possui 52 casos confirmados entre os detentos, 24 já estão recuperados e os outros 28 estão em isolamento.

Foto: Divulgação

O Conjunto Penal de Feira de Santana possui 52 internos e 22 servidores contaminados com a Covid-19, até esta sexta-feira (10). 

'A covid-19 pegou toda a sociedade de surpresa e as instituições precisaram correr contra o tempo para superar as dificuldades advindas da doenças. No sistema prisional, é necessário que se busque ainda mais ações para garantir a saúde das pessoas, o que foi feito desde o início', afirmou o diretor da unidade, Capitão Allan Araújo. 

De acordo com ele, as ações realizadas no Conjunto Penal foram eficazes porque retardaram a presença da doença no sistema. 

'Enquanto a sociedade já tem uns três meses convivendo com a doença, o sistema prisional a partir de hoje passou a surgir casos, na maior parte, assintomáticos, e isso tá acontecendo agora após decisão judicial de aceitação de presos com a covid-19, mas com as medidas tomadas, nós temos plenas condições de aceitar e manter os infectados na unidade', disse. 

A unidade possui 52 casos confirmados entre os detentos, 24 já estão recuperados e os outros 28 estão em isolamento.

'Conseguimos alocar um pavilhão específico para alocar essas pessoas, no momento em que é identificado um possível infectado, ele é imediatamente retirado do pavilhão de origem, encaminhando ao atendimento médico, onde é feito a testagem, o que acontece de forma muito rápida, ele é colocado em pavilhão específico e lá é tratado', ressalta o Capitão. 

Outros 22 servidores também foram infectados, 12 são agentes e 10 são profissionais da saúde. Entre os agentes, oito já estão curados e quatro seguem afastados do trabalho até a recuperação, um faleceu, o técnico de enfermagem Edson Carneiro Guimarães Júnior, de 37 anos. Já entre os profissionais de saúde do Conjunto Penal, apenas três já se recuperaram da Covid-19. Seis profissionais ainda estão com a doença.

'Edson estava conosco há um mês e também trabalhava em outras unidades de saúde, é um fato lamentável. Os servidores passam por triagem diária antes de acessar a unidade e se caso surja dúvida, ele é encaminhado para testagem rápida que acontece no local. Além disso, são fornecidos os itens básicos de proteção conforme a demanda de cada profissional', diz Allan. 

O Capitão destaca que uma testagem em massa entre os detentos não está descartada. 

'Já fizemos a testagem em massa entre os servidores, inclusive com o teste mais complexo que dá mais certeza da testagem. Existem conversas sobre a testagem em massa dos internos, mas atualmente nós só fazemos a busca ativa', conta. 

Atualmente as visitas aos detentos estão suspensas como medida preventiva ao coronavírus na unidade. 

Confira a entrevista na íntegra: 


Compartilhe

Deixe seu comentário