Mortes por coronavírus passam de 1,6 mil na China

Neste sábado (15), França confirmou primeira morte fora da Ásia por coronavírus. OMS afirmou que 25 países apresentam algum caso de infecção pelo vírus.

Foto: Divulgação

A China registrou 142 novas mortes causadas pelo novo coronavírus, de acordo com balanço divulgado neste sábado (15). Com esta atualização, o número total de mortos em todo o país desde o início de surto chegou a 1.665 pessoas.

Desse número, só na província de Hubei — epicentro da crise do novo coronavírus — foram registrados 139 mortes. Entre elas, 100 ocorreram na cidade de Wuhan.

Além disso, as autoridades chinesas confirmaram 2.009 novas infecções pelo novo coronavírus apenas neste sábado. O total acumulado, portanto, chegou a 68,5 mil casos.

Neste sábado, Tedros Adhanom, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), afirmou que o surto de coronavírus ainda é uma emergência para a China e que é impossível dizer para onde a epidemia vai se espalhar.

Adhanom disse na Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha, que se sente encorajado pelas ações da China para desacelerar a disseminação do vírus, mas que ainda está preocupado com o aumento no número de casos.

Neste sábado, foi anunciado que um turista chinês de 80 anos morreu na França vítima do Covid-19. É o primeiro registro de uma morte pela doença fora da Ásia, e o terceiro caso fora da China, de acordo com anúncio do Ministério da Saúde da França neste sábado (15).

Segundo a ministra de Saúde da França, Agnès Buzyn, a vítima é da província de Hubei. O chinês chegou à França em 16 de janeiro. Nove dias depois, em 25 de janeiro, ele havia sido colocado em quarentena. Ele tinha uma infecção pulmonar causada pelo coronavírus, e sua condição física se deteriorou rapidamente. Uma filha do homem de 80 anos também foi hospitalizada, mas a expectativa é que ela receba alta.

No balanço deste sábado, a OMS afirmou que 25 países apresentam algum caso de infecção pelo vírus. A morte registrada pela França ainda não foi contabilizada pelo documento da OMS.



Informações G1

Compartilhe

Deixe seu comentário