PODE TORCER PELO TOURO

Foto: Divulgação

O jornalista Dilson Barbosa, a quem estou substituindo temporariamente nessa coluna, costuma dizer que em uma tourada, quando o toureiro erra muito e toma decisões precipitadas, a torcida deixa de apoiá-lo e passa a torcer pelo touro. Essa máxima pode servir para o Irã, na guerra contra os Estados Unidos.Desde que o país norte-americano matou o comandante da guarda revolucionária do Irã, o general Qassem Soleimani, os iranianos protestaram contra os EUA e cobraram do governo do Irã uma resposta à altura. Foi grande a revolta. Porém, agora que o governo do Irã assumiu o abatimento de um avião civil ucraniano, matando 126 pessoas, com a justificativa de que o teria confundido com um míssil de cruzeiro, os iranianos passaram a se revoltar contra o governo. Desde sábado passado, uma série de protestos têm acontecido no país contra o atentado. Ou seja, o que era apoio, está começando a virar crítica. Esperto, o presidente dos EUA, Donald Trump aproveitou logo para publicar em suas redes sociais uma mensagem de apoio aos iranianos pelos protestos contra o governo do país, afim de “trazer a torcida” para o lado dele. Não sabemos o que vai acontecer a partir de agora. Se a “torcida” vai para o lado do “touro” ou do “toureiro”. Se a revolta contra o governo continuar por lá, isso pode fazer com que o Irã diminua o tom com os EUA e isso também faça Trump diminuir o dele. De um modo ou de outro, a gente espera que essa “tourada” acabe logo, já que uma guerra entre os dois países não é bom pra ninguém, sob nenhum ponto de vista.


Por: Fernando Moreira 

Compartilhe

Deixe seu comentário