Irã não entregará caixas-pretas de avião ucraniano à Boeing e aos americanos

Convenção Internacional de Aviação Civil prevê que país onde aeronave caiu seja responsável pelas investigações. Porém, fabricante e autoridades do país onde o avião foi produzido devem ter acesso às informações das caixas-pretas.

Foto: AFP

A Organização da Aviação Civil do Irã anunciou que não entregará à Boeing e a investigadores americanos as caixas-pretas da aeronave ucraniana que caiu nesta quarta-feira (8), logo após decolar do aeroporto de Teerã. A aeronave transportava 176 pessoas. Ninguém sobreviveu.

A Convenção Internacional de Aviação Civil, da qual o Irã é signatário, prevê que fica responsável pela investigação o país onde a aeronave caiu (ou de onde ela partiu). Nesse caso, o Irã. Porém, a convenção prevê que o país fabricante (os EUA) e a empresa que o produziu, que é a Boeing, participem da investigação e tenham acesso às informações das caixas-pretas imediatamente.

Ali Abedzadeh, diretor da agência iraniana, afirmou que a investigação será feita no Irã, conforme prevê a Convenção. Os representantes da Ucrânia estarão envolvidos nesse processo, mas ele descartou entregar os equipamentos à fabricante Boeing e às autoridades americanas.

"Não daremos as caixas-pretas para o fabricante [Boeing], nem para os americanos", afirmou o diretor dessa agência iraniana, Ali Abedzadeh, citado pela agência de notícias Mehr.

No entanto, ele não deixou claro se o Irã permitirá que os americanos acompanhem o inquérito.

As normas internacionais ainda preveem que também acompanhem a investigação, o país onde a aeronave pousaria (neste caso, a Ucrânia), países com fabricantes de peças do avião e países com passageiros que morreram na tragédia.

A tragédia aconteceu poucas horas após o Irã ter disparado mísseis contra duas bases aéreas que abrigam tropas dos EUA no Iraque, em resposta à morte do general Qassem Soleimani. No entanto, não há informações sobre relação entre os dois casos.

A morte do importante comandante iraniano em um ataque americano em Bagdá, no Iraque, fez aumentar o temor de um conflito entre Irã e Estados Unidos. O governo do Irã prometeu vingança e bases americanas no Iraque foram atacadas por mísseis iranianos.

Em seu perfil no Twitter, a Boeing lamentou o incidente trágico e declarou que seus pensamentos sinceros “estão com a tripulação, os passageiros e suas famílias”. A empresa disse estar em contato e que apoia as suas clientes companhias aéreas. “Estamos prontos para ajudar da maneira necessária”, afirmou.


Informações G1

Compartilhe

Deixe seu comentário