'Queremos Soluções!', dizem moradores que tiveram casa invadida por esgoto no Calumbi

Na espera por órgão responsável pelo ressarcimento dos prejuízos a população se manifesta e fecha a rua

Joaquim Neto

Moradores da Rua Teixeira Soares, bairro feirense Calumbi, fecham a rua Tomé de Souza e paralisam o trânsito sentido Feira IX, nesta sexta (09), manifestando para saber "quem vai arcar com a perda dos móveis de suas casas". "Queremos solução!", entoa a comunidade que se sente desassistida e busca ressarcimento de seus prejuízos.

Relato

Representante da Associação de moradores do Tropical de sobrenome Ferreira, relata que, embora o proprietário tenha tentado evitar a queda de veículo no canal, no domingo, o carro tombou. Segundo ele, a Polícia Militar e Civil foram acionadas, mas verificou-se que o veículo estava em dia e a remoção era responsabilidade do dono. Nesse empasse, a chuva desta quinta (09) encheu o córrego e a enchurrada arrastou o veículo pela Rua Teixeira Soares, causando obstrução do canal que transbordou, poluindo ruas e invadindo residências que tiveram móveis perdidos.

"O pessoal sem móveis, nenhuma autoridade esteve lá, só a Defesa Civil que veio para ver se tinha alguma casa em condições ainda", relatou Ferreira ao declarar que procuram saber qual será o órgão responsável por tirar o veículo abandonado da via. "O secretário disse que não podia vir ontem porque estava sem veículo e sem combustível", comentou o morador que desabafou: "A comunidade vem sofrendo, Feira de Santana está totalmente desorganizada, bagunçada e os moradores é que pagam o preço dos incompetentes".

A manifestação é em espera por algum responsável conversar com a população sobre qual medida será tomada frente à perda dos moradores de 30 casas invadidas pelo esgoto, ressalta Ferreira. Ele lembra que moradores precisaram dormir em outras residências na noite que passou e muito, inclusive, perderam dia de trabalho para tentar socorrer pertences.

A moradora Edvânia teve todos os móveis perdidos na situação. "Alagou tudo lá, tapete, estante, sofá, geladeira...quero ver quem vai ser o responsável por isso", questiona. Rosângela Rodrigues da Silva também relacionou suas perdas para o repórter do Bom Dia Feira: "Eu perdi sofá, cama, rádio, roupa, perdi tudo, não tenho nada!". Ela conta que precisou dormir na casa da vizinha por ter uma condição complicada dentro da própria residência.

Informações de Joaquim Neto


Compartilhe

Deixe seu comentário