Se encher o saco, não vote

Foto: Divulgação

As campanhas eleitorais estão com tudo, e já entramos na última semana delas, já que domingo, é o dia de ir às urnas. E nessa reta final, o que já estava intenso, se torna ainda mais intenso: os pedidos por votos.

Não é difícil encontrar relatos, ou até mesmo passar por essa experiência, de ter um candidato chato querendo enfiar na sua cabeça a ideia de votar nele, com um discurso insuportável que você não quer ouvir, mas que ele, não deixa de falar, quase sem respirar para não dar tempo de você cortar, e com um tom que soa até desespero. São quase 600 candidatos a vereador em Feira de Santana, e acredite, a quantidade dos que têm essas características, é grande.

Outra chatice é a poluição sonora causada pelas carreatas e carros de som. Via de regra, não se respeita os limites de decibéis estabelecidos por lei, e o incômodo é enorme. Quando passa na sua rua, você não consegue dormir, assistir televisão, estudar, ou qualquer atividade que exija concentração ou silêncio. Você é obrigado a ouvir o jingle do tal candidato.

E a poluição não é só sonora. Já é de costume, no dia da eleição, encontrar locais de votação cheios de 'santinhos' de papel de vários candidatos no chão, produzindo uma quantidade enorme de lixo. Esse ano, faltando quase um mês para as eleições, esse lixo já era encontrado nas ruas da cidade. Cada carreata que passa, deixa uma enorme quantidade de 'santinhos' no chão. Eu mesmo já flagrei pessoas, em carros, aleatoriamente, jogando santinhos em locais de grande circulação de pessoas. Fico me questionando se alguém já pegou um santinho desse no chão e decidiu votar naquele candidato, sem motivação alguma, só porque encontrou aquele pedaço de papel na rua.

E já que citei nesse artigo, duas vezes, as carreatas, não posso deixar de falar delas. Elas massificam imensamente os problemas que já existem no trânsito da cidade. Causam enormes congestionamentos, aglomerações (já que muita gente não se contenta em ficar dentro do carro, e desembarca nas várias vezes que as carreatas param durante o percurso), além de atrasar e irritar muito o motorista.

Dito tudo isso a respeito de muitas campanhas eleitorais (as exceções são poucas, mas existem), só me resta aqui deixar um conselho. Se o candidato perturbar o seu sossego, te deixar preso em um engarrafamento, sujar a sua cidade ou sua rua, não vote nele. Não dá pra esperar que, depois de eleito, ele contribua com a causa da limpeza pública, dor ordenamento do trânsito, da mobilidade urbana e com o combate à poluição sonora, se durante a campanha ele fez justamente o contrário. E por que, eleição após eleição, isso continua existindo? Muitos deles, mesmo fazendo isso tudo, conseguem se eleger. Não votar em quem “enche o se saco” também é evitar que isso volte a acontecer no futuro, já que isso passaria a contar mais contra do que a favor do candidato. Precisamos pensar nisso.

Compartilhe

Comentários