Todo mundo quer

Foto: Divulgação

É impressionante, a cada eleição, o enorme e crescente número de candidatos a vereador em Feira de Santana, que diga-se de passagem, não foge ao que acontece em praticamente todas as grandes cidades brasileiras. Nessa eleição, são mais de 600 candidatos ao cargo legislativo, na cidade.

Entre tantos postulantes, tem de todos os jeitos. Encontramos candidatos de vários segmentos. Alguns comprometidos com causas, outros com ideologias e tantos outros abusando da 'irreverência', na tentativa de representar o voto de protesto da vez.

Em vários momentos tenho sido abordado por candidatos, assim como boa parte da população. Alguns, pedem que os 'ajudem' com o voto. Outros, querem empurrar ideias e propostas na sua cabeça (que muitas vezes, você nem quer ouvir), para tentar conquistar seu voto. E no meu caso, por ser jornalista, quando descobrem a minha profissão, querem se aproveitar para conseguir uma entrevista que proporcione a “mídia” que eles querem, para aparecerem conquistar o voto das pessoas. Todas as vezes, preciso explicar que a lei eleitoral me impede de entrevistar candidatos a cargos eletivos nesse período, a não ser que eu consiga entrevistar todos, o que se torna praticamente impossível, quando se observa a quantidade de candidatos a vereador. Exatamente por isso, que nós fizemos uma rodada de entrevistas com todos os 9 candidatos a prefeito da cidade.

E os candidatos estão onde menos se imagina. Essa semana, fui abordado por um senhor quando parei em um semáforo, que estava com uma mão cheia de panos de chão, e a outra, cheia de 'santinhos políticos' (aquele folheto pequeno com o número do candidato e informações resumidas sobre ele). Tal cena me chamou a atenção. E quando conversei com ele, me chamou ainda mais atenção o fato de ser ele próprio o candidato que ele estava divulgando. Ou seja, vendia panos com uma mão, e pedia votos com a outra.

Toda essa quantidade de candidatos me leva a um questionamento e uma reflexão: Por que tanta gente querendo ser vereador? Claro que é legítimo e democrático que qualquer pessoa tenha o direito de concorrer a um cargo eletivo para que, no decorrer do seu mandato (se eleito for), possa defender o interesse público e possa lutar por uma cidade melhor. Mas fico me perguntando se a motivação é tão somente o interesse público. Quando olhamos para o salário pago a cada um dos vereadores de Feira de Santana (algo em torno de 15 mil, fora os benefícios), é quase impossível não pensar que uma parte significativa desses candidatos tenha no valor do salário e dos benefícios que um vereador tem, a sua principal motivação para ocupar o cargo. Talvez, se o salário tivesse um valor menor, a quantidade de candidatos não seria, eleição após eleição, tão grande. Afinal, ganhar 15 mil, quase todo mundo quer.

Compartilhe

Comentários