AQUI TEM ECO!?

Sinto-me como numa casa nova, batendo nas portas dos vizinhos perguntando se algu√©m pode, por favor, me emprestar uma x√≠cara de a√ß√ļcar.

https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/fisica/o-que-eco-reverberacao.htm

¬† ¬† Hoje, dia 15 de agosto de 2018, eu, Luan Sant¬í Ana Alves, dou um passo importante na minha carreira de cronista. Se √© que eu posso chamar de carreira. Ou me chamar de cronista (que ousado). Aos 20 anos, consigo uma coluna num site de um jornalista famoso em Feira e regi√£o. Uma coluna que posso chamar de minha, afinal, √© o espa√ßo com meu nome. Literalmente e figurativamente. T√° a√≠ pra quem quiser comprovar: a alguns cent√≠metros acima desta cr√īnica, entre a coluna do psicanalista Dr. Ed, e √† Imers√£o Empreendedora, do meu amigo Kleber.

¬† ¬† Caros leitores, pela migra√ß√£o entre meu site pessoal/portf√≥lio, pergunto: ¬ďquem migrou comigo?¬Ē. Ser√° que meus leitores e leitoras, amantes do cuscuz e da Coca de Caf√© vieram comigo? Sinto-me como numa casa nova, batendo nas portas dos vizinhos perguntando se algu√©m pode, por favor, me emprestar uma x√≠cara de a√ß√ļcar. Como nunca mudei de casa, imagino que a sensa√ß√£o seja assim: incerta. E talvez isso s√≥ aconte√ßa em filmes americanos ¬Ė tsc tsc.

¬† ¬† O que me levou a mudar de p√°gina, logo no ¬Ė raso ¬Ė auge da minha carreira de cronista (que ousado), √© buscar novos desafios. Novas metas, m√©tricas e leitores. Embora adore ver pessoas que me conhecem elogiando minha escrita, existe uma situa√ß√£o confort√°vel: elas me conhecem. √Č como jogar em casa: tudo ao meu favor. Quero saber se realmente escrevo bem, a ponto de desconhecidos ou ¬ďsemi-conhecidos¬Ē, se darem o trabalho de me congratular ¬Ė sempre quis usar essa palavra. Quero lotar outros est√°dios, tamb√©m. Provar que, diferente do meu time do cora√ß√£o, mantenho bons resultados independente do local. At√© porque, gol fora tem um gostinho melhor.

¬† ¬† N√£o hoje, n√£o amanh√£, mas um dia. Um dia. Espero ouvir pessoas fuxicando sobre minhas cr√īnicas em algum lugar, sem saber quem sou, convenhamos: ser famoso deve dar trabalho. Adoro escrever por poder usar o meu nome, no espa√ßo que tenho ele escrito. Por onde ele estiver, haver√° piadinhas sem gra√ßa, trocadilhos e outras besteiras que espero entreter e arrancar risos, mesmo que de canto de boca ou por pena. N√£o abandonarei meu blog, e, caso voc√™ tenha vindo de l√°, obrigado e volte sempre. Tanto pra c√° quanto pra l√°. Caso voc√™ seja novo, bem-vindo ao que eu sou.

¬† ¬†Em minha primeira cr√īnica, num novo espa√ßo, com a credibilidade que me faltava ¬Ė obrigado, Dilson e Kleber ¬Ė, encerro com uma pergunta que ecoa em minha cabe√ßa desde o primeiro par√°grafo, e, para falta de respostas, o som dela ir√° rodear pelos quatro cantos da p√°gina, subir e descer pela barra de rolagem, e mostrar que meu auge pode estar em decl√≠nio. Sem mais delongas: tem algu√©m a√≠?

¬† ¬† A√ć... A√≠... a√≠... a...


Compartilhe

Coment√°rios